Mostrar mensagens com a etiqueta 2-Tecnologia. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta 2-Tecnologia. Mostrar todas as mensagens

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Escola autoriza uso de telemóvel


O Estatuto do Aluno não permite telemóveis dentro da escola, mas no agrupamento de Carcavelos a direção propôs que os aparelhos possam até ser usados na sala de aula. O Conselho Pedagógico e o Conselho Geral aprovaram e a medida entra já em vigor. "Já era usado em aulas de Artes, Biologia e Inglês, e estabelecemos uma norma que permite e até favorece o uso na sala, mediante autorização do professor", disse ao CM Adelino Calado, diretor do agrupamento, acrescentando: "O objetivo é que possa ajudar nas aprendizagens, ao mesmo tempo que se trabalha a cidadania, porque damos autonomia mas exigimos respeito pelos limites." Adelino Calado dá um exemplo dos limites: "Os alunos podem usar o telemóvel para tirar fotos nas aulas de Artes ou procurar um documento na internet, mas não para estar a jogar." O diretor nota ainda que o telemóvel pode ser usado para fazer contas, dispensando a compra de calculadora. Este agrupamento tem-se destacado por abordagens inovadoras, sendo a taxa de retenção de apenas 3 por cento. 

Noticia retirada daqui

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Lançado sistema que acaba com cábulas no telemóvel


Os professores vão começar a ter a vida facilitada quando vigiarem testes e exames. Há uma invenção, criada pela ‘Berkeley Varitronics Systems’, – uma fábrica que produz equipamentos de segurança sem fios nos EUA – que pretende acabar com as cábulas no telemóvel.
Com o nome de ‘PocketHound’, este novo dispositivo vibra e emite luz sempre que há registo de transmissão de rede por parte de um telemóvel. O produto custa 500 dólares (cerca de 375 euros) e tem autonomia de duas horas.
Além do ‘PocketHound’, a empresa norte-americana criou recentemente o ‘Wolfhound Pro’. Este dispositivo portátil é colocado na roupa ou nas mochilas e permite, a pais e agentes da autoridade, controlar telemóveis e até armas.

Notícia retirada daqui



quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Programa de modernização vai abranger 370 escolas

O presidente da Parque Escolar, Sintra Nunes, anunciou hoje que no final de Abril estarão concluídas as obras de requalificação em 104 secundárias, estando previsto o alargamento do programa a 370 escolas, contra as 332 inicialmente estimados. Estudos mais recentes realizados com as direcções regionais de educação, que se encontram em fase de conclusão, “apontam para uma rede principal de 370 escolas secundárias”, afirmou Sintra Nunes, acrescentando que até ao final do ano será apresentado o faseamento e calendarização das fases seguintes do programa, que hoje entrou na fase 3.

O responsável da Parque Escolar falava na cerimónia de inauguração das instalações requalificadas da Escola Secundária Pedro Nunes, em Lisboa, durante a qual recebeu o apoio da ministra da Educação, Isabel Alçada, e do primeiro-ministro, José Sócrates, para prosseguir o trabalho que tem vindo a dirigir.

Hoje foram assinados contratos para intervenções em 17 escolas de vários pontos do país: Guimarães, Vila Nova de Famalicão, Viana do Castelo, Vila Verde, Gondomar, Resende, Estarreja, Sever do Vouga, Monte de Caparica, Seixal, Mem Martins, Torres Vedras, Faro, Vila Real de Santo António, Lagos e Portimão.

Até ao final do ano, arrancarão obras em mais 58 escolas, estando o começo de outras 29 intervenções previsto até ao final de Abril de 2011.

A fase 3 corresponde a um investimento global de 1,57 milhões de euros, abrangendo 104 escolas, 15 mil professores, 130 mil alunos e 1,6 milhões de metros quadrados de área bruta de construção.

Com a conclusão da fase 3 ficarão abrangidas 209 escolas, alargando os números para 31 mil professores, 254 mil alunos, 3,1 milhões de metros quadrados de área bruta e 2,9 mil milhões de euros de investimento.

“Um esforço financeiro sem precedentes para o Estado português, vincou Sintra Nunes, manifestando disponibilidade para continuar o trabalho, mas enumerando também dificuldades, como facto de as obras decorrerem sem a escola encerrar e terem de conciliar projectos e orçamentos com “um vasto conjunto de nova legislação”.

“Não tem sido tarefa fácil conciliar a existência de um novo Código de Contratação, ainda sem jurisprudência sobre questões práticas de aplicação, com projectos de investimento de prazos muito curtos e múltiplos intervenientes”, disse.

Sintra Nunes disse ainda que das 74 intervenções abrangidas pela fase 2, a empresa estima que em 73 não seja ultrapassado o limite de cinco por cento para trabalhos a mais e que apenas seis ou sete obras ultrapassem os prazos finais em mais de um mês e meio.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

sábado, 20 de fevereiro de 2010

A Criança e a Violência nos Videojogos


'O fenómeno dos videojogos tem vindo a crescer progressivamente desde a década de 70, instalando-se na vida de crianças, jovens e adultos, que hoje passam a maior parte do seu tempo de écran em écran, isto é, entre a televisão, as consolas, os computadores, os telemóveis e outros (Gros, 2008).

Os videojogos são o primeiro contacto das crianças com o mundo digital. As novas gerações alfabetizam-se digitalmente através dos jogos e desenvolvem competências diferentes das gerações anteriores, que lhes permitem movimentar-se na sociedade digital (Gros, 2008).

Actualmente, têm vindo a ser produzidos jogos que abrangem diferentes áreas e diferentes temáticas, tais como, o divertimento, a informação e a educação. Estes jogos apresentam uma dupla faceta, pois embora constituam um bom recurso pedagógico e didáctico para o desenvolvimento e aprofundamento de competências sociais e cognitivas, também, com alguma frequência, favorecem valores ligados à violência, agressividade e a todo o tipo de discriminação (Diéz Gutiérrez, 2004). Devido a estas duas facetas os videojogos têm levantado muita polémica pois existem especialistas com opiniões opostas relativamente aos seus efeitos junto dos/as utilizadores/as. (P. 1)



Síntese de vantagens e desvantagens dos videojogos

Em síntese, pode então dizer-se que os videojogos apresentam como principais vantagens: a) desenvolverem e aprofundarem competências sociais e cognitivas tais como a necessidade de se cumprir regras, o aumento das capacidades de observação, atenção, memória, coordenação motora fina e da lógica; b) promover a fantasia.

No que se refere às principais desvantagens pode dizer-se que: a) veiculam valores ligados à violência, agressividade e discriminação; b) promovem a desigualdade sexual; c) o sedentarismo e d) geram adição. (P. 16)


Fonte: Mensagens veiculadas nos conteúdos dos Videojogos: o caso dos TheSims 2 e os estereótipos de género (2009) – Tese de Mestrado de Sílvia Maria Quitério Subtil Portugal, pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.


Excerto do Boletim InfoCEDI do Instituto de Apoio à Criança, cuja leitura recomendamos.


Podem aceder aos números anteriores das publicações do IAC no site,www.iacrianca.pt.

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Portal das Escolas: Nova área de jornais e revistas de interesse educativo


O Portal das Escolas (www.portaldasescolas.pt) disponibiliza, desde o passado dia 27 de Janeiro, uma área de jornais e revistas de interesse educativo. Esta área consiste num arquivo documental histórico (desde 1910), facilmente pesquisável, da imprensa escrita. Direccionado a professores registados no Portal das Escolas, estes podem utilizar em contexto pedagógico, a partir de agora, um acervo de conteúdos de qualidade. Um total de um milhão e duzentas mil páginas de jornais e revistas do Grupo Impresa - alguns títulos já extintos e outros ainda em circulação - irão estar progressivamente disponíveis no Portal das Escolas.
Entre os títulos a disponibilizar estão A Capital, História, O Jornal, Sete, Expresso, Jornal de Letras e Visão. Já estão acessíveis conteúdos nos seguintes dossiês temáticos: História, Personalidades e Sociedade.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

“Conta-nos uma história”


A iniciativa “Conta-nos uma história” – Podcast na Educação é um concurso promovido no âmbito do Plano Tecnológico da Educação (PTE), através da Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (DGIDC), do Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) e do Plano Nacional de Leitura (PNL).

Este concurso implica a concepção e desenvolvimento de recursos digitais áudio, que consistam na produção colaborativa ou no reconto de histórias já existentes (por exemplo, contos, fábulas, parábolas, mitos ou lendas). Pretende fomentar a dinamização de projectos desenvolvidos pelas escolas de Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico que incentivem a utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), nomeadamente tecnologias de gravação digital áudio.

Destinatários: O concurso, de âmbito nacional, dirige-se a todas as escolas de Educação Pré-escolar e de 1.º Ciclo do Ensino Básico.

Inscrições: A candidatura é feita on-line, através do preenchimento de um formulário até ao dia 15 de Fevereiro de 2010.

A entrega dos trabalhos decorrerá de 16 de Fevereiro a 31 de Março de 2010, no site de apoio.

Informações e apoio: Para mais esclarecimentos, poderão consultar o site de apoio ou contactar-nos através do endereço de correio electrónico: podcast@dgidc.min-edu.pt.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

SeguraNet no Alentejo


Direcção Regional de Educação do Alentejo vai realizar, no âmbito do Projecto SeguraNet, diversas sessões de divulgação/informação sobre a temática da utilização da internet.




O projecto SeguraNet, desenvolvido pela Equipa RTE/PTE, da Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (DGIDC), tem como principal objectivo a promoção da utilização esclarecida, crítica e segura da Internet para todos os sectores do público, com especial ênfase paracrianças e jovens.   
As sessões locais do Projecto SeguraNet irão decorrer em Évora,FronteiraSines e Beja, durante os meses de Fevereiro e Março, conforme quadro em anexo.



Data
Horário
EAE’s
Escola de realização
Data limite de inscrição
03/02/2010
15.00 / 17.00
Alentejo Central/Este
Évora
(DREALE)
29/01/2010
10/02/2010
15.00 / 17.00
Alentejo Norte
Fronteira
(Agrupamento de Escolas de Fronteira)
05/02/2010
24/02/2010
15.00 / 17.00
Alentejo Litoral
Sines
(Agrupamento de Escolas de Sines - EB2,3 Vasco da Gama)
19/02/2010
03/03/2010
15.00 / 17.00
Alentejo Sul
Beja
(Escola Secundária D. Manuel I)
26/02/2010



As sessões são dirigidas prioritariamente a Coordenadores do PTE, Coordenadores de Ciclo/de Departamento/de Directores de Turma/das Bibliotecas Escolares bem como a docentes das áreas de informática e áreas curriculares não disciplinares e ainda a elementos das Associações de Pais e Encarregados de Educação.

Os interessados deverão preencher a  ficha de inscrição e remetê-la para a EAMDE, através do n.º de fax 266 757 908 ou para o email:eamde@dreale.min-edu.pt.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Alunos aprendem a respeitar direitos de autor


Os alunos dos 12 aos 18 anos vão ser desafiados a criar uma obra original no âmbito de um concurso nacional que visa sensibilizar os jovens para a importância de respeitar os direitos de autor.

O concurso, designado como o Grande C, foi criado pela Associação para a Gestão de Cópia Privada (AGECOP) e vai abranger todas as escolas do país a partir de 11 de Janeiro, segundo anunciou hoje a directora executiva da AGECOP, Vera Castanheira.

"Inicialmente tínhamos planeado lançar o projecto em 100 escolas mas já conseguimos apoios suficientes para disponibilizar um kit de lançamento em todas as 917 escolas do país, incluindo as regiões autónomas", garantiu.

Segundo explicou a directora, o Grande C visa desafiar os alunos do Ensino Secundário e do terceiro ciclo para que criem uma obra original em qualquer área à sua escolha, desde a música, ao cinema, à escrita, ao jornalismo ou ao design.

"O que está em causa é a originalidade e a protecção do trabalho", refere o site do projecto, criado para o concurso (www.grandec.org).

"O Grande C pretende esclarecer o público e em especial os jovens, convidando-os a fazer parte de um projecto em que eles próprios serão os criadores de obras protegidas, permitindo analisar o outro lado da obra, o do seu processo de criação", explica.

Os trabalhos podem ser criados individualmente ou em colaboração e concorrer a uma ou mais categorias. Entre as categorias disponíveis contam-se Música (instrumental ou canção), Letra, Design de Capa (CD/disco, DVD, livro, jogo ou revista), Vídeo (videoclip, vídeo-reportagem e curtíssima-metragem); Plano de promoção on-line (música, filme, livro ou revista), Escrita Criativa (ficção, científico, poesia ou teatro) e Media (generalista, desporto, moda, artes, viagens).

A inscrição dos alunos poderá ser feita até 5 de Março, sendo os prémios atribuídos a 18 de Junho, um dia depois do final do
ano lectivo.

"Esperamos fazer uma grande festa e, depois, durante o Verão será promovida a obra vencedora", explicou Vera Castanheira, adiantando que a obra premiada será publicada e divulgada pelos parceiros da iniciativa.

O projecto conta com o apoio de entidades como o Ministério da Educação e o Ministério da Cultura, da comissão europeia para os Assuntos dos Consumidores, da Associação de Editores e Livreiros (APEL), da Associação Portuguesa de Imprensa (API) e da Sociedade Portuguesa de Autores, SPA.


Lusa

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Estão abertas as inscrições para os alunos do 1.º ano do ensino básico

Com vista a dar seguimento ao Plano Tecnológico da Educação, o Ministério da Educação vai lançar um concurso público internacional para a aquisição de computadores portáteis adaptados ao primeiro ciclo do ensino básico.

Com o lançamento deste concurso, o Governo estará em condições de garantir que todos os alunos matriculados, no presente ano lectivo, no 1.º ano do ensino básico, terão acesso a um computador portátil, adaptado a este nível de ensino, para utilização no processo de aprendizagem, nomeadamente em ambiente de sala de aula.

O concurso, que permitirá o acesso a computador a todos os alunos matriculados no 1.º ano do ensino básico nos anos lectivos de 2009/2010 e de 2010/2011, assim como aos respectivos professores, será lançado já no próximo mês.

As fichas de inscrição encontram-se já disponíveis no Portal das Escolas

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Conectando Mundos - 'Sonhos de Andorinha'

Na edição de 2008/2009, participaram 84 escolas e 2958 alunos/as de todo o país na proposta didáctica 'Conectando Mundos'. 




O Conectando Mundos é uma proposta didáctica de Educação para a Cidadania Global desenvolvida por quatro Organizações Não Governamentais europeias: Ucodep (Itália), Intermón Oxfam (Espanha), Inizjamed (Malta) e CIDAC (Portugal). 



Educar para a Cidadania Global representa educar para temas relevantes, com a intenção de que se produza uma transformação progressiva nos valores, atitudes e comportamentos dos nossos alunos e alunas, enquanto cidadãos conscientes da complexidade do mundo e participativos e comprometidos na construção de uma sociedade justa, equitativa e solidária.

A proposta didáctica é dinamizada através da plataforma onlinehttp://www.conectandomundos.org/pt e permite a participação e o intercâmbio entre alunos/alunas e professores/professoras de diferentes realidades geográficas (Portugal, Malta, Itália, Espanha, Brasil, Cabo Verde, Tanzânia, República Dominicana, Quénia, etc.) e socio-económicas, e de diferentes níveis de ensino (alunos dos 6 aos 17 anos).




Conectando Mundos - 'Sonhos de Andorinha'



Finalidade

Ao educar para a uma cidadania global, o Conectando Mundos pretende fomentar a transformação progressiva nos valores, atitudes e comportamentos dos nossos alunos e alunas, enquanto cidadãos conscientes da complexidade do mundo e participativos na construção de uma sociedade mais justa, equitativa e solidária. (para conhecer melhor leia o artigo da Revista Noesis nº 75 (AQUI) )





Público-alvo

Turmas do ensino básico, secundário e profissional cujos alunos têm idades compreendidas entre os 6 e 17 anos. 

Serão, posteriormente, formadas equipas constituídas por aproximadamente 15 turmas, agrupando alunos da mesma idade provenientes de diferentes regiões e países (Portugal, Espanha, Itália, Malta, Brasil, Cabo Verde, Tanzania, República Dominicana, Quénia..).





Porquê trabalhar as MIGRAÇÕES E DESENVOLVIMENTO?

As migrações, apesar de sempre terem existido, são também uma consequência lógica deste modelo social e económico injusto que rege o mundo em que vivemos.  


Enquanto abrimos cada vez mais as fronteiras à livre circulação de bens e capitais económicos, maior entraves colocamos à livre circulação de pessoas. E não só fechamos fronteiras, fechamos também mentalidades:
 - através de mensagens preconceituosas, 

 - através do medo face à diferença, 

 - através da concepção da identidade como algo uniforme e excludente,
 - através da homogeneização cultural...

A partir de uma perspectiva humana e integrada na concepção de cidadania global, abordamos as causas e as consequências que o processo migratório tem na vida das pessoas e no seu meio envolvente e desafiamos atitudes e compromissos, tanto a nível pessoal como colectivo.

Queremos construir um espaço comum de respeito e enriquecimento mútuo, em que há igualdade de deveres e direitos, aproximação e acolhimento, interculturalidade, valorizando a riqueza da diferença e da diversidade.





Objectivos



·         Conhecer e analisar, de forma crítica, os processos migratórios: as causas e as consequências na vida das pessoas e no seu contexto. 



·         Potenciar o interesse e a curiosidade pela investigação em torno do tema das migrações de desenvolvimento no contexto próximo, partilhar as principais ideias com outros alunos/as e poder retirar conclusões à escala global.



·         Fomentar acções e atitudes individuais e colectivas transformadoras que contribuam para a construção de uma sociedade aberta, diversa e solidária, baseada no respeito recíproco entre pessoas de diferentes proveniências.





Actividades



- Curso on-line para professores e professoras(de 18 de Janeiro a 4 Fevereiro de 2010, de acordo com a sua disponibilidade). Durante as 3 semanas, os professores/as  acedem à plataforma on-line de forma a familiarizar-se com o ambiente virtual, com os objectivos e conteúdos da proposta e com a actividade que vai ser desenvolvida com os alunos e alunas da faixa etária que lecciona. Nesta altura, terão acesso aos materiais de apoio (guia didáctico e documentação de referência) e poderão estabelecer contacto com os outros professores/as que realizarão a actividade.



- Actividades com os alunos e alunas (6 semanas de trabalho entre 8 de Fevereiro e 21 de Março de 2010). As turmas inscritas no Conectando Mundos vão interagir e trabalhar em conjunto através da Internet. Cada faixa etária irá dispor de uma proposta específica que suscita momentos de reflexão, debate e iniciativa, tanto com os colegas da turma como com os colegas virtuais. Estará ainda ao dispor dos participantes um conjunto de ferramentas de comunicação. Se quiser conhecer o que foi feito na edição passada visite a página http://www.conectandomundos.org/pt e o blog de professores/as portugueses participanteshttp://conectandomundospt.blogspot.com



- Encontro de professores e professoras (Abril). Os professores e professoras participante poderão participar no Encontro Nacional destinado à partilha de experiências. 

O cronograma rigoroso está relacionado com a participação simultânea de escolas e turmas de diferentes países cujos calendários escolares são bastante diferentes.





Porquê participar?



- Permite integrar a perspectiva de cidadania global nos projectos educativos das escolas/turmas e na programação das aulas de diferentes áreas curriculares e não curriculares.



- Potencia atitudes e valores que permitem conhecer e entender melhor a realidade envolvente e, desta forma, participar activamente na construção de um mundo mais sustentável.



- Permite que o conhecimento seja construído através de processos participativos e colaborativos de ensino-aprendizagem. 



Oferece novas metodologias de trabalhos às escolas relacionadas com autilização das Tecnologias da Informação e Conhecimento. 



Permite consolidar uma educação para a cidadania global. 



Inclui a diversidade cultural, linguística e social como um recurso para a participação e aprendizagem.

Torna o ambiente educativo um espaço dinâmico, proporcionando aos alunos e alunas uma forma diferente de conhecer.





Contamos com a participação da(s) sua(s) turma(s)!

Para participar é necessário preencher o formulário de inscrição on-line que se encontra no site www.conectandomundos.org  a partir de dia 13 de Outubro e até dia 18 de Dezembro. 



-- 

CIDAC

Rua Pinheiro Chagas, 77-2º Esq.

1069-069 Lisboa

Tel.(+351)21.317.28.60

Fax.(+351)21.317.28.70


domingo, 15 de novembro de 2009

Manual Escolar 2.0

Caros Professores,

O Manual Escolar 2.0 é um projecto pioneiro a nível mundial, no qual os manuais escolares são construídos on-line, num espaço aberto à participação de todos os professores.

Neste sentido, vimos por este meio convidá-los a visitar o nosso site, em 
http://www.manualescolar2.0.sebenta.pt, e participar nas diversas discussões que permanentemente decorrem.

Todos os comentários e sugestões são bem-vindos. Estamos à sua espera!

Até breve,

Filipe Medeiros
Manual Escolar 2.0
http://www.manualescolar2.0.sebenta.pt

sábado, 14 de novembro de 2009

ClassMarker – uma ferramenta online para criar e gerir os seus testes

Cada professor pode criar uma quantidade ilimitada de turmas e distribuir testes diferentes por essas turmas. Tem igualmente a possibilidade de colocar imagens nos testes, bem como definir um tempo-limite para a sua execução. Os tipos de testes são variados, como veremos de seguida.


Este projecto tem também uma componente paga, que envolve, essencialmente, as estatísticas globais por aluno.

Será sobre a área gratuita que nos iremos debruçar, de uma forma resumida, para que fique com uma ideia sustentada sobre as potencialidades do ClassMarker.

A partir de http://www.classmarker.com terá de fazer o seu registo e depois começar a construir os seus testes, perguntas e turmas.

Para criar um novo teste, deverá ir a My Tests – create new test. Poderá então colocar o nome desejado e clicar em add new test.

Pode dividir os testes em categorias da sua conveniência. Para criar essas categorias, terá de aceder, no menu lateral, a My Tests – Categories e no campo Add new category inserir o nome pretendido. Posteriormente, pode editar as designações dadas às suas categorias.

Para adicionar perguntas a cada teste, tem duas opções:
- adicionar perguntas já existentes, a partir do seu banco de perguntas – My Tests – nome do teste – view options – Enter new questions directly into this test;
- criar novas perguntas directamente para o teste.

Para criar perguntas a partir da base de dados, deverá ir a My Tests  – Question bank e clicar em add question. Existem vários tipos de perguntas:

MC (Multiple Choice) – Escolha múltipla com uma resposta certa
MR (Multiple Response) –  Escolha múltipla com mais que uma resposta certa
True/False – Verdadeiro/Falso
Free text – Texto livre
Punctuation – Pontuação
Essay – Ensaio

Quando são criadas as perguntas, exceptuando, claro, a modalidade ensaio, o professor estabelece à partida a(s) resposta(s) certas(s).

Em My Tests – Set default test settings tem a hipótese de escolher as opções por defeito para as suas perguntas. Por exemplo, se os alunos vêem os resultados dos testes após os terem realizado, o tempo disponível para responder a cada questão, quantas perguntas aparecem por página, quantos valores atribuir a cada resposta certa, entre outras situações.

Para criar uma nova turma, ir a My classes e clicar em Create new class. No passo seguinte, dê um nome à turma e clique em Create class.

Para distribuir um teste por uma turma, no menu lateral clique em Assign tests, abaixo do nome da turma para a qual quer enviar os testes.

Seguindo o procedimento anterior, em Administer learner pode enviar mensagens personalizadas para as suas turmas, além de ter as opções de ver, registar e apagar alunos.

O registo de alunos pode ser efectuado um a um ou em massa. Neste segundo caso, em My Classes – nome da turma – Administer learners no campo Register learners in a batch terá apenas de inserir o primeiro e último nome de cada aluno a registar.

Tem a opção de criar uma password única para todos ou, então, o próprio sistema pode automaticamente atribuir a cada aluno um nome de utilizador e uma palavra-passe.

Caso pretenda que sejam os seus alunos a fazerem a inscrição, o ClassMarker dá a hipótese de gerar códigos automáticos para depois serem distribuídos aos alunos que se vão registar numa determinada turma.