Mais de 90% dos professores preparam aulas com manuais escolares


Inquérito do Observatório dos Recursos Educativos revela que 92% dos professores utilizam livros escolares para preparar aulas, 97% usam os manuais em contexto de sala de aula, e 90% recomendam a sua utilização para preparar os testes.

Os manuais escolares são o recurso mais utilizado pelos professores do Ensino Básico e Secundário no nosso país. Um inquérito realizado a 4590 docentes dos níveis da escolaridade obrigatória, do 1.º ao 12.º ano, conclui que 92% dos professores utilizam os manuais escolares para a preparação das aulas, 97% usam os livros em contexto de sala de aula e 90% recomendam a sua utilização para a preparação para os testes. “Os manuais no quotidiano dos professores e alunos” é o nome do estudo levado a cabo pelo Observatório dos Recursos Educativos (ORE) junto de docentes de diferentes idades, géneros, disciplinas e regiões de Portugal. 

Mais de 95% dos professores inquiridos reconhecem que os manuais escolares ajudam a melhorar os resultados educacionais, que garantem a qualidade da aprendizagem e favorecem a sua própria atuação. Proporcionam uma abordagem rigorosa e coerente dos programas em vigor e acompanham os alunos na preparação para os testes e na promoção de um trabalho autónomo. 

O estudo, realizado em março e recentemente concluído, teve por base a sobrecarga de trabalho dos professores e 97% dos inquiridos dão nota de uma efetiva sobrecarga que compromete a atividade docente. Mais de 63% dos professores despendem mais de cinco horas por semana, além das legalmente atribuídas. Os manuais escolares são considerados um bom contributo para um tempo letivo de qualidade já que permite diversificar estratégias. 

“A relação do professor com o aluno, através do manual escolar, é bastante importante e significativa”, refere Adalberto Dias de Carvalho, professor catedrático da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e coordenador do ORE, em declarações à Lusa. “É muito clara esta aposta dos professores nos manuais, sendo que a utilização do manual continua a ser maioritariamente usada em praticamente todas as gerações”, sublinha. 

Os resultados do estudo, as percentagens elevadas, demonstram que não se trata de um “fenómeno tipicamente português”, uma vez que Portugal está em concordância com outros países europeus que fazem “o mesmo uso deste recurso”, como a Finlândia. “A única diferença entre Portugal e outros países europeus é que nesses países os manuais são dados e não apenas emprestados. E o facto destes recursos serem dados permite ao aluno fazer uma utilização pessoal e construir uma relação com o livro”. 

“Na realidade, esta relação entre o professor e o aluno é muito importante porque permite introduzir este hábito de relação com o livro, que de outra forma ficaria perdido no seio de tantos outros recursos”, afirma o coordenador do ORE. 

O tempo é precioso sobretudo para quem trabalha além das horas legalmente estipuladas. Quanto vale o tempo para os professores? E que valor tem os manuais escolares ao economizar tempo aos docentes? Um estudo feito no Reino Unido indica que a preparação das aulas representa, para o Estado, um custo de 4,8 biliões de libras por ano (5,76 biliões de euros), enquanto o custo de todos os livros impressos, para o mesmo Governo, tem um custo de 196 milhões de libras por ano (220 milhões de euros). 

Feitas as contas, o valor anual suportado pela produção de livros escolares no Reino Unido quando comparado com o valor do tempo despendido pelos professores na preparação das aulas é de 4,1%. O que permite concluir que “o investimento em manuais escolares tem um excelente retorno para o funcionamento do sistema de ensino pois poupa tempo aos professores na preparação das aulas, permitindo-lhes dirigir mais atenção para as necessidades de cada um dos seus alunos, com óbvio impacto positivo nas aprendizagens”.

Comentários