terça-feira, 19 de junho de 2012

Ordem alfabética desapareceu do exame de Língua Portuguesa do 6.º ano

Os alunos do 6.º ano que esta terça-feira se estrearam em exames não tiveram que mostrar se sabiam ou não colocar palavras por ordem alfabética, porque esta pergunta não estava contemplada na prova que realizaram de manhã.

Este é um dos itens que tem tido piores resultados nas provas de aferição que até agora eram realizadas pelos alunos deste ano de escolaridade.

No ano passado, 45,4% não conseguiram colocar por ordem alfabética um conjunto de palavras começadas por "c". Em 2010, esta percentagem foi de 67,2%. Nas provas de aferição – que não contavam para a nota final –, os alunos do 6.º ano tiveram habitualmente piores resultados no grupo que testava o chamado conhecimento explícito da língua (gramática), onde se integrava aquele item.

Mas, segundo os relatórios nacionais elaborados pelo Gabinete de Avaliação Educacional, revelaram ainda maiores dificuldades em conjugar diferentes tempos verbais do modo indicativo. Na prova de aferição do ano passado, 51% deram outra resposta na pergunta em que se pedia que reescrevessem a frase “o feitor é dedicado” em quatro outros tempos do modo indicativo. No exame de hoje são apresentadas quatro frases diferentes, pedindo-se ao aluno que escreva os verbos entre parêntesis no tempo e modo indicados para cada uma.

Num parecer à prova, a Associação de Professores de Português (APP) considerou que no texto proposto para interpretação (um excerto de "A maior flor do mundo" de José saramago), a inclusão de uma sequência narrativa em verso "complexifica a interpretação da globalidade do texto, implicando um grau de abstracção que alguns alunos neste nível etário ainda não desenvolveram”. “Esta situação poderá suscitar dúvidas, fazendo prever que o exame vá premiar os bons alunos”.

No geral, a APP considera que a prova “está bem estruturada e respeita os conteúdos centrais do programa de Língua Portuguesa do 2.º ciclo”. Indica também que “o exame segue a matriz das provas de aferição de 6.º ano de amos anteriores”.

No grupo destinado à produção de texto narrativo, a associação afirma que “é de louvar a substituição do pedido de número de linhas, como nas provas de aferição, por número, máximo e mínimo, de palavras”. Neste grupo pede-se aos alunos que relate “um acontecimento inesquecível, real ou imaginado, passado nume espaço natural e agradável, na companhia de alguém importante para ti”.

O exame de Língua Portuguesa contará 25% para a nota final do aluno. A partir de 2013 o seu peso passará a ser de 30%, igual ao que valem os exames do 9.º ano e do ensino secundário. Para a prova de hoje estavam inscritos 121.198 alunos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos