terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Professores licenciados consideram propostas do Ministério insuficientes para terminar protestos

A presidente da Associação Sindical dos Professores Licenciados (ASPL), Fátima Ferreira considerou hoje que as propostas apresentadas pelo Ministério da Educação “não são suficientes para terminar com os protestos dos professores”.

Fátima Ferreira falava aos jornalistas depois de uma reunião com o secretário de Estado Adjunto e da Educação, Jorge Pedreira, que propôs aos sindicatos que a avaliação deixe de estar ligada à colocação dos professores, bem como a possibilidade de mobilidade para os professores titulares.

“Não são prendas”, disse a dirigente associativa, considerando que as questões essenciais para os professores actualmente se mantêm e que são a fractura da carreira em duas, o modelo de avaliação, os concursos e os horários.

Em reacção aos concursos de colocação dos professores, Fátima Ferreira disse que o Ministério da Educação se limitou a “mexer na graduação e deixou para trás questões mais importantes”, como a “passagem automática dos quadros de escola para os quadros de agrupamento”.

Mais branda foi a posição do Movimento Pró-Ordem, que, à saída da mesma reunião, se limitou a dizer que a greve de 19 de Janeiro foi convocada pela Plataforma Sindical e que só esta estrutura a pode alterar.

Para Filipe do Paulo, presidente da Pró-Ordem, a não consideração da avaliação no concurso nacional “corresponde em parte” às exigências daquele movimento associativo.

O Ministério propõe que as menções de “Muito Bom” e “Excelente” deixem de constituir uma bonificação para a colocação dos professores, mas o Movimento Pró-Ordem defende que não devia ser considerada qualquer menção.

Em relação à mobilidade dos professores titulares – que de acordo com a proposta do Governo podem este ano candidatar-se a 2300 vagas – a Pró-Ordem considera-a positiva porque esses professores “não viam grandes perspectivas de mobilidade”. Por isso, “enquanto não for revogada a figura do professor titular, parece positivo”, considerou.

Para a Pró-Ordem, a questão do Estatuto da Carreira Docente e do modelo de avaliação de desempenho dos professores são assuntos separados das propostas e que continuam a carecer de discussão. O dirigente disse ainda aos jornalistas que, na reunião que manteve com os sindicatos, o secretário de Estado não ligou as propostas a uma desconvocação da greve, apenas manifestou que “o Ministério está interessado em relançar o diálogo”.

Nesta segunda mesa negocial estiveram representados, além do Movimento Pró-Ordem e ASPL, o Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades (SPLIU), o Sindicato dos Educadores e Professores Licenciados pelas Escolas Superiores de Educação e Universidades (SPLEU) e o Sindicato dos Professores do Pré-Escolar e Ensino Básico (SIPPEBE).
Lusa

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos