terça-feira, 8 de julho de 2008

Cábulas nas calculadoras dos alunos sem controlo


Uma falha nas regras sobre utilização de calculadoras permite aos alunos do secundário levarem para os exames de Matemática e Física e Química todos os 'auxiliares de memória' que considerem necessários, como fórmulas que não constem dos enunciados e até descrições "passo a passo" de como resolver diferentes problemas.

Os recursos são diversos: desde activar a função alfanumérica, presente na generalidade das calculadoras gráficas autorizadas pelo Ministério da Educação, e escrever as cábulas desejadas para consulta posterior, às páginas da internet que fornecem formulários e pistas em formatos já adaptados às calculadoras mais populares, da Casio e da Texas Instruments.

Longe de ser um segredo bem guardado, verificou o DN, o método é conhecido por alunos e professores, e tolerado como normal. Para o impedir, seria aliás necessário eliminar das calculadoras a informação para lá descarregada, algo que o próprio Ministério proíbe: "Aos alunos é permitida a utilização de todas as potencialidades da máquina, não sendo por isso permitida qualquer intervenção no sentido de fazer reset à mesma", diz um ofício de Janeiro da Direcção-geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular e do Júri Nacional de Exames.

"Habitualmente, o que os professores fazem no início das provas é verificar se as calculadoras estão na lista permitida. E mesmo que não estejam os alunos podem usá-las, desde que assinem um documento assumindo esse facto", explicou ao DN Teresa Caissotti, da Sociedade Portuguesa de Matemática. "Verificar os conteúdos das máquinas, mesmo que fosse permitido, seria fisicamente impossível, porque estamos a falar de centenas de alunos, que chegam aos exames 15 minutos antes".

Para esta professora, não há dúvida de que estamos a falar de "auxiliares de memória" e que, objectivamente pode haver "desigualdade" entre os alunos nas provas , em função do volume de informação descarregado para as calculadoras. No entanto, é "discutível" que se possa considerar estarmos perante uma forma de maus alunos chegarem às respostas certas: "A matemática não se presta muito a isso", diz. "Não basta consultar uma fórmula para se conseguir resolver o problema".

Mas, sendo assim, poderá questionar-se porque se dá o Ministério ao trabalho de dizer que as calculadoras não podem ter funcionalidades como o "cálculo simbólico (CAS)" ou "teclado QWERTY" (aquele que é utilizado nos computadores), quando essas limitações são facilmente contornadas pelos estudantes.

A verdade é que até os próprios alunos parecem ter dúvidas: "Recebemos muitos e-mails de estudantes a perguntar se isto é mesmo assim. Se podem fazer isto", disse ao DN Bruno Teixeira, da Aexames, uma associação que gere um site dedicado a estudantes do secundário e do superior.

O DN contactou o Ministério da Educação, solicitando uma posição sobre esta situação, mas não obteve resposta em tempo útil.

PEDRO SOUSA TAVARES E RITA CARVALHO
GONÇALO BORGES DIAS

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos